Antes de tudo, um forte abraço, em amor à História e à Verdade...

domingo, 24 de abril de 2011

FELIZ PÁSCOA A TODOS!!!


Recados para Orkut sobre feliz-pascoa

sábado, 16 de abril de 2011

MARTÍRIO DE VITTORIO ARRIGONI (1975 - 2011)

"A WINNER IS A DREAMER WHO NEVER GIVES UP"
VITTORIO ARRIGONI, A TRUE WINNER 

Vittorio Arrigoni holding a Palestinian flag (profile picture from Facebook)
Vittorio Arrigoni segurando uma Bandeira Palestina (foto do perfil do Facebook)
Arrigoni, an activist with the International Solidarity Movement (ISM) in Gaza
#Cartoon - Tribute to Vittorio Arrigoni (1975 - 2011) - #Palestine #Gaza

http://twitpic.com/photos/CarlosLatuff

Palestinos oram por ativista italiano morto
Execução de pacifista italiano em Gaza causa indignação internacional


Vittorio Arrigoni: pacifist supporter of the Palestinian Cause

"Vittorio was Italian by birth but his dedication to Palestine and Gaza made him no less Palestinian than any other Palestinian, he came to Gaza many times and live here for a while. He endangered his life numerous times while working as a volunteer with the ISM (International Solidarity Movement) in Gaza when he was trying to protect farmers and fisherman, in addition to his participation in all buffer-zone protests.



Vittorio meant a lot for Palestinians, Gazans and his friends everywhere. He is a huge loss for us all, may he rest in peace." -  Omar Ghraieb
http://globalvoicesonline.org/2011/04/15/palestine-remembering-murdered-italian-activist-vittorio-arrigoni/

Fonte: http://palestinanews.blogspot.com/2011/02/intervista-vittorio-arrigoni.html

"I first heard of Vik before arriving in Gaza. Vik had just been injured by the IOF [Israel Occupation Forces/Israel Defense Forces] water canon attack which shattered the windows of the fishing boat he was accompanying. Vik had some injuries from the shattered glass. […] He was taken from Gaza, briefly, by the IOF navy, when they kidnapped 15 Palestinian fishermen and 3 accompanying activists, including Vik, in November 2008, from Palestinian waters. At the time of his abduction, he was electrically shocked while peacefully avoiding abduction by diving into Gaza’s cold waters.
He returned to Gaza, via Free Gaza again, before Israel began its war on Gaza. He continued to write and report from the enclosed, bombed Strip.
Stay human, he always said. And so was the title of his book on the Israeli massacre of Gaza in 2008-2009. Stay human. […] During the Israeli war on Gaza, we all worked together, riding in ambulances, documenting the martyred and the wounded, the vast majority (over 83%) civilian. Vik was always on the phone, Italian media taking his words and printing them for the public to see. […] He was there to joke with us, to counsel us, to smoke shisha by the sea…He wrote the truth, spoke the truth, stayed human." - Eva Bartlett worked with Arrigoni in Gaza



"“Ween?” (the Arabic for “where”) was the first thing Vittorio ever asked me. He was looking for my phone number and sent me a FB message titled, “ween”. Today I ask him the same question: “ween?”
I can’t think of one reason that would make a “Palestinian” kill someone like Vittorio. A man who dedicated his life to fight injustice. A man who abandoned the luxury of Rome and came to one of the most turbulent regions in the world in order to expose Israeli atrocities committed against Palestinians. A man on whose right arm was big brilliant tattoo: resistance. A hero in whose eyes there was a whole lot of unmistakable meanings of profound love, loyalty, hope, sacrifice, truth and courage. Vittorio has done for Palestinians in Gaza and the West Bank more than those who killed him.

[…] Vittorio is a man who loved Gaza, he loved Gaza’s land, its sea, and its sky. Two things Vittorio obviously loved to do: to wave the Palestinian flag, and to sing “Onadikum” (I call upon you!). Wholeheartedly, Vittorio sang, “Onadikum” time and again. He poured his heart out as he sang it. It’s probably the only thing he could say so fluently in Arabic.

Now that you moved to live in our hearts, we’ll become stronger and fiercer in the battle against occupation, humiliation and injustice. Vittorio. Such an inspiration to all of us. You taught us that life isn’t worth living if one isn’t ready to fight against its injustice, and that’s what gives it a meaning, that’s what makes it all beautiful. Now, empowered by your “memory”, we’ll carry on the fight together." - Mohammed Rabah Suliman



THIS IS GAZA
http://en.gravatar.com/thisisgaza"Vittorio Arrigoni, a symbol of freedom, he was a man who lived and died to express his solidarity with Palestinians. He was big-hearted and he was brave, twice participating in blockade-defying sea voyages to Gaza, three times jailed by Israel for his activism".
From the place he loved, in memory of Vittorio
Vittorio's tattoo on his arm: moqawama (resistance)Vittorio: (Vik, Victor, Victorio. Full name: Vittorio Utopia Arrigoni) a Palestinian martyr, only a bit braver, who was abducted and gruesomely killed at the hands of an Israeli-salafist gang on 14 April 2011. Later it happened that he was not dead: he was still living in the hearts of all Palestinians.


‎”Ween?” (the Arabic for “where”) was the first thing Vittorio ever asked me. He was looking for my phone number and sent me a FB message titled, “ween”. Today I ask him the same question: “ween?”


I can’t think of one reason that would make a “Palestinian” kill someone like Vittorio. A man who dedicated his life to fight injustice. A man who abandoned the luxury of Rome and came to one of the most turbulent regions in the world in order to expose Israeli atrocities committed against Palestinians. A man on whose right arm, the Arabic word for resistance “Moqawama” was brilliantly tattooed in big words. A hero in whose eyes there was a whole lot of unmistakable meanings of profound love, loyalty, hope, sacrifice, truth and courage. Vittorio has done for Palestinians in Gaza and the West Bank more than those who killed him. He was more Palestinian than many other Palestinians. Vittorio would have competed with Hamas rockets about who’s done more damage to Israel. He was such a nightmare for them that needed to be eliminated. Vittorio is a great disheartening loss to Palestinians, and Friday, 15 April is such an overwhelmingly melancholic day in the history of Palestine.


Vittorio is a man who loved Gaza, he loved Gaza’s land, its sea, and its sky. Two things Vittorio obviously loved to do: to wave the Palestinian flag, and to sing “Onadikum” (I call upon you!). Wholeheartedly, Vittorio sang, “Onadikum” time and again. He poured his heart out as he sang it. It’s probably the only thing he could say so fluently in Arabic.

Today, as we took to the streets to tell the world how grieved we are at the loss of Vittorio, to convey a message to Vittorio’s family in Italy that in Gaza we are all his family. We condemn in the strongest terms the shameful and outrageous act of abducting and murdering Vittorio by a bunch of criminals whom we disavowed the moment they had that vicious thought in their minds. We will not forgive those who betrayed Vittorio in the place he loved, the place where he felt most secure, where he would be angry to be treated like a foreigner. He warmly embraced our cause, so we will never stab him in the back. We’ll give him a warmer hug.

Today, though ridiculous I only wished Vittorio were alive to live this very day with us and see with his own eyes how much we all love him. We are all Vittorios.


Now that you moved to live in our hearts, we’ll become stronger and fiercer in the battle against occupation, humiliation and injustice. Vittorio. Such an inspiration to all of us. You taught us that life isn’t worth living if one isn’t ready to fight against its injustice, and that’s what gives it a meaning, that’s what makes it all beautiful. Now, empowered by your “memory”, we’ll carry on the fight together.

Vittorio wanted to fight injustice, but life was too unjust for him to fight.

‎”The injustice of it [life] is almost perfect! The wrong people going hungry, the wrong people being loved, the wrong people dying!” John Osborne.

Vittorio is one of the wrong people.

In memory of Vittorio Utopia Arrigoni


15 April 2011
BORN IN BESANA BRIANZA
FEBRUARY 4 TH, 1975
DIED - GAZA , APRIL 15TH, 2011 

His sacrifice  for the PALESTINIANS AND HUMAN RIGHTS WILL NOT BE FORGOTTEN
"Rest In Peace Vittorio...
I cannot put my anger in words.. I wish I could..
Palestinians Love you Vittorio.. You will be in our hearts always..."
http://www.youtube.com/watch?v=O6mLAaZaUy4&feature=youtu.be

http://www.infopal.it/leggi.php?id=14508

Recordando o ano de 2008:
mercoledì 19 novembre 2008



Appello per l’italiano Vittorio Arrigoni, prigioniero di Israele


Fonte: http://guerrillaradio.iobloggo.com/archive.php?eid=1753





arabic subtitles in:
http://www.youtube.com/watch?v=hhnTj1ODe6E&feature=related

Vittorio has been active in the Palestine cause for almost 10 years. For the past two and a half years, he has been in Gaza with the International Solidarity Movement, monitoring human rights violations by Israel, supporting the Palestinian popular resistance against the Israeli occupation and disseminating information about the situation in Gaza to his home country of Italy. He was aboard the siege-breaking voyage in 2008 with the Free Gaza Movement and was incarcerated in Israeli prisons several times. He was in Gaza throughout Israel's brutal assault (Operation Cast Lead), assisting medics and reporting to the world what Israel was doing to the Palestinian people. He has been arrested numerous times by Israeli forces for his participation in Palestinian non-violent resistance in the West Bank and Gaza. His last arrest and deportation from the area was a result of the Israeli confiscation of Palestinian fishing vessels in Gazan territorial waters.
Vittorio frequently writes on the issue of Palestine for the Italian newspaper, IL Manifesto and Peacereporter. Additionally, he maintains a popular blog (http://guerrillaradio.iobloggo.com) and facebook page http://www.facebook.com/pages/Vittorio-Arrigoni/290463280451
Khalil Shaheen, a friend of Vittorio and Head of the Economic and Social Rights Department at the Palestinian Center for Human Rights said, "This is outside of our traditions. We are calling for the immediate release of my best friend. Vittorio Arrigoni is a hero of Palestine. He was available everywhere to support all the poor people, the victims. I'm calling on the local authorities here in Gaza, and all security departments, to do their best to guarantee his safety and immediate release."

Vittorio was granted honorary citizenship for his work on promoting the cause of the Palestinian people. Members of Gazan civil society are demanding his release; tomorrow at 4:00pm there will be a mass demonstration in Jundi Square.



For more information, please contact:

Inge Neefs, ISM Gaza, English, 00 972 597 738 436

Silivia Todescini ISM Gaza, Italian 00 972 595 447 660

Nathan Stuckey, ISM Gaza, English, 00 972 597 650 864

Huwaida Arraf, Free Gaza Movement, English & Arabic, 00 972 598 336 215

Adie Nisterooly (close friend of Vittorio's), ISM Gaza, English, 0041799407215



I'd like my gravestone to quote what Nelson Mandela said: "A Winner is a dreamer who never gives up".
VITTORIO ARRIGONI - A WINNER

sábado, 9 de abril de 2011

MASSACRE NO RIO DE JANEIRO

Comentário extraído do site Yahoo Respostas

MASSACRE NO RIO DE JANEIRO
por Cláudio Messias


O massacre na escola do Rio de Janeiro deveria chamar a atenção da sociedade para um fenomeno pouco observado: as pessoas com tendencia maníaco-depressivas.

São pessoas com um temperamento e comportamento diferente da etiqueta social. Considero etiqueta social o comportamento padrão de um indivíduo visto pela sociedade de forma geral. Ou seja: uma pessoa é bem aceita no grupo social se for sorridente, simpática, não gostar muito de assuntos relativos a coisas sérias (chatas, tais como estudar, trabalhar, cumprir deveres, etc). As pessoas com comportamento diferente disso, especialmente quando crianças ou adolescentes são alvos de chacotas, algozes, provocaçoes diversas. É gostoso juntar a turma pra zoar aquele aluno que fica quieto no canto só trocando conhecimentos com o professor. É gostoso zombar daquele indivíduo que não tem uma roda de amigos, etc. Tais pessoas geralmente são tímidas, e por nao conseguir acompanhar o raciocínio dos bate papos em grupos, onde o assunto é muito é muito dinâmico, acaba se isolando em cantos e se tornando alvos de provocações, a se reagir, até de violência física. A sociedade trata tais pessoas de anti sociais, e vêem o isolamento como simples opção. Não consegue ver que naquela pessoa há uma diferença. Existe sim um bloqueio, que nao impede a pessoa de ser inteligente, de apreender muito, de inventar coisas, mas faz com que seu raciocínio seja um tanto lento o que o impede de ter resposta imediatas para conversas em grupos. O que para outras pessoas é mera brincadeira, respondida de plano e altura, para uma pessoa com tal bloqueio chega a soar como ofensa. Tais pessoas passam a se isolar, e com o tempo criar nelas mesmo um submundo de ódio, e ver até ver o resto do mundo como inimigos. Não podemos chamar isso de comportamento, pois este é volitivo, as pessoas comportam como querem, e os anti-sociais são assim por falta de opção. Levam uma vida profundamente infeliz, presa em um submundo do qual nao consegue sair a aproveitar o pouco de bom que o mundo oferece. Não consegue ter amigos, nao consegue namorar, etc. A vida lhe soa como um fardo pesado demais, desnecessário, eis que lhe foi imposta sem a sua permissão. Algumas pessoas conseguem superar suas dificuldades e prosseguir a vida. Conseguem adptar as suas dificuldades ao meio. MAs algumas nao conseguem, e se trancam cada vez mais em submundos cada vez menor, e desenvolver em si uma monstruosidade tão grande ao ponto que querer, se puder, detruir tudo aquilo que lhe faz mal. O problema é que tudo no mundo lhe faz mal. Se torna um inimigo de gente. Isso é consequencia do isolamento ao qual sempre foi submetido. Esse é o caso de TODOS os maníacos que ja foram identificados. Todos os massacres em escolas norte americanas, os casos conhecidos no Brasil como o bandido da Luz Vermelha, o Maníaco do Parque, e agora o maníaco do Rio de Janeiro, sao pessoas com perfil psicológico semelhante. O pensamento do maníaco é mais ou menos assim: "se o mundo me odeia, por que hei de amá-lo?". Quando a sociedade de uma forma geral apreender lidar com os diferentes, aprender que nem só os simpáticos, bonitos e sorridentes são pessoas humanas, sempre haverão os maníacos fazendo vítimas pessoas inocentes. A sociedade cria seus monstros, e depois querem exterminá-los. É assim com os criminosos, que se originam da segregação social, e é assim também com os maníacos que surgem sa rejeição dos bons. Não se trata de querer pegar no colo uma pessoa que não gosta de ficar na roda, mas de apenas respeitá-lo. Já é dolorido para uma pessoa ficar isolada, por não conseguir estar junto, ser alvo de zombaria, chacotas e até agressões (e no caso do Rio, isso foi dito por um ex-colega de escola do maníaco). Se ao invés de excluir, taxar como chato, e achar que a solicidão a qual uma pessoa se acomete é opção, deveriamos preparar nossos filhos para a inclusão e especialmente o respeito. Se esse pensamento prevalecesse, Adolf Hitler não teria matado ninguem. É claro que nada justifica o que esses montros fizeram, até porque, o fizeram conscientes, e apesar de diferentes são inteligentes e sabem distinguir o bem e o mal, mas a sociedade deve repensar a sua relação com os diferentes. Não somente negros e gays merecem respeito, pessoas não-simpáticas também. Traumas da infância e da juventude nem sempre são superados. É duro demais para uma pessoa sentir-se rejeitada, e tais pessoas são rejeitadas. Não podemos exigir que todos sejam simpáticos, conversadores, galãs, bonitos, para que sejam respeitados. Isso precisa ser ensinado em casa, para as crianças. A criança vítima de bullying pode se tornar o Hitler de amanhã. Paremos de fabricar cobras, pois elas fatalmente nos picarão.

 



A notícia pela manhã desta quinta-feira, dia 07 de abril me chocou demais e meu coração está em pedaços.Um atirador entrou na escola municipal Tasso da Silveira no Rio de Janeiro e matou 12 crianças.Fiquei horrorizada!O nosso país já tem páginas de tragédias envolvendo tráfico e jovens e agora uma chacina com jovens inocentes e dentro de uma escola, local que abriga sonhos e ideais.Tenho um jornal para estudantes e sei como é prazeroso lidar com a juventude: suas ideias e sonhos.Sei que a escola atualmente para a garotada é como um lazer e não mais um local de estudar.A gente nota pelas comunidades no orkut, onde os estudantes mencionam a escola como "local para encontrar e fazer amigos", já na minha época, além disso, tínhamos a escola para aprender, estudar e ter amigos.O que mais me dói é saber que foi arrancada de cada um desses jovens, o direito de viver,sonhar, se divertir, namorar,questionar, criar,mudar e aprender e crescerem cidadãos do bem e dignos.Na carta que o atirador Wellington de Oliveira deixou, ele pede perdão a Deus, mas perdão em ter matado crianças, as quais Jesus tanto amava ?Lamentável e muito triste saber que os bons morrem jovens, dizia o poeta Renato Russo!

domingo, 3 de abril de 2011

EUA: MORTES E TORTURAS DE CIVIS NO AFEGANISTÃO

Que vergonha!!!

Quem são os verdadeiros culpados destas GUERRAS ESTÚPIDAS?
Até quando teremos que conviver com esse "nível" de conduta por parte dos EUA e aliados?
Quando os EUA sairão do Afeganistão? Aliás, vocês sabem por que invadiram e AINDA ocupam o Afeganistão?
Já não bastam as milhares de mortes e torturas de civis inocentes em nome dessa tal "demo-cracia"?

Basta de GUERRAS IMPERIALISTAS!
Fora EUA do Afeganistão!!!


Revista alemã revela como EUA "ajudam" os civis no Afeganistão

Os crimes, todos cometidos depois da posse de Obama na Casa Branca, estão documentados nas fotos publicadas pela “Der Spiegel” do último dia 23.

A revista anunciou que tem ainda 4 mil fotos e vídeos em que soldados dos EUA posam com as vítimas assassinadas e mutiladas.

O Pentágono, depois de acobertar os crimes,
pediu desculpas pelas “fotos horríveis”

 
Gul Mudin era um rapaz de 15 anos, que morava em La Mohammed Kalay, um povoado de seu país, o Afeganistão.

Na manhã de 15 de janeiro de 2010, Gul Mudin estava trabalhando no campo quando chegaram os soldados norte-americanos. Em La Mohammed Kalay havia apenas camponeses desarmados – tentando, apesar de tudo, viver em seu próprio país.

Dois soldados aproximaram-se do jovem Gul, que estava sozinho numa plantação. Um deles o chamou em pashtu, a língua local. Os soldados viram que Gul estava desarmado (“não carregava nas mãos nem mesmo uma pá”, disse depois um deles).

Em seguida, “fizeram como se o rapaz tivesse jogado uma granada neles e, depois, acabaram com ele”, descreveu ao pai, como se estivesse contando algo rotineiro, um dos membros do pelotão, o soldado Adam Winfield,pela rede Facebook.

Gul foi metralhado seguidamente pelos soldados Jeremy Morlock e Andrew Holmes. Depois, posaram com o cadáver para várias fotos, segurando a cabeça, como se fosse um animal abatido numa caçada. Um deles decepou um dedo de Gul e o guardou, como souvenir.


O relato do assassinato de Gul Mudin, e outros, assim como as fotos, foi publicado pela revista alemã “Der Spiegel” no último dia 23. Mas é apenas parte do material em posse da revista: há mais quatro mil fotos e vídeos em que os soldados dos EUA são retratados – por eles mesmos – em plena ação humanitária no Afeganistão...

Todos os crimes aconteceram depois de Obama intensificar as ações no Afeganistão, com mais tropas, armadas até os dentes, para submeter o país, naturalmente, com o intuito de democratizá-lo, ensinar direitos humanos e prestar ajuda humanitária aos afegãos.

No dia 22 de fevereiro de 2010, os soldados assassinaram, nas mesmas condições de Gul Mudin, outro jovem, Marach Agha, de 22 anos.
 Em dois de maio foi um sacerdote, o mulá Allah Dad, que teve o infortúnio de cruzar com esses representantes da democracia norte-americana. E não se sabe quantos mais tiveram o mesmo fim.

Relata a “Der Spiegel” que “a OTAN, sob a chefia do exército dos Estados Unidos”, assim como o governo, inclusive a secretária Hillary Clinton, já sabiam do que acontecera e fizeram o possível para esconder.

Qual o motivo dessas atrocidades?

Os soldados estavam, segundo disse um deles, “divertindo-se”. Ou, disse um oficial dos EUA, “matando o tédio”.

 Na última edição da revista “Rolling Stones”, em que novas fotos foram publicadas, relata-se que planejavam distribuir doces para as crianças afegãs e, em seguida, metralhá-las.

Um militar norte-americano declarou que “as tropas não gostam dos afegãos”.

Mas quem está no lugar errado não é o povo afegão,
que está sendo assassinado na sua própria terra.

Até o aparecimento das fotos na “Der Spiegel”, ninguém fora punido. Após a publicação, um soldado – que confessara os crimes há três meses - foi condenado e o Pentágono pediu desculpas “pelas fotos horríveis sobre os alegados crimes”.

Portanto, supõe-se, a próxima providência do Pentágono será proibir os soldados de tirar fotos horríveis...

É inútil reduzir esses crimes bárbaros a atividades de uma dúzia de soldados – número dos que foram processados até agora.

My Lay também não era um ato isolado de um pelotão, mas, como ficou evidente depois, a própria política americana para o Vietnã, segundo o depoimento, no Congresso dos EUA, do próprio diretor da CIA, a respeito da “Operação Fênix”.

Como os soldados norte-americanos no Afeganistão chegaram a esse ponto, tão sem limites?

Mas como podem ter limites se a ação para a qual foram enviados não tem limites, do bombardeio e invasão de um país que está do outro lado do mundo até a tortura, a um campo de concentração, como o de Guantánamo, e à morte em massa de afegãos?

Porque, na verdade, a política dos EUA é a prisão, tortura e assassinato de qualquer um que seja “suspeito” de não se submeter – o que significa, praticamente, qualquer afegão.

Por que um pelotão de soldados teria limites 
se
 seus chefes não tem?

Resta, agora, a Comissão de Direitos Humanos da ONU, certamente com o apoio do Brasil, escolher um “relator especial” para os crimes dos EUA.

C.L.
Jornal Hora do Povo
http://www.horadopovo.com.br/

"Ajuda humanitária" é guerra imperialista pelo butim da Líbia










"Ajuda humanitária" é guerra imperialista pelo butim da Líbia

Hugo R C Souza

No dia 19 de março a coligação de forças imperialistas composta pelo USA, França, Grã-Bretanha, Itália e Canadá atacou a Líbia.

Depois um período de grandes ensaios que escondiam as negociações entre as potências imperialistas sobre o quinhão de cada um no butim da Líbia, encenou-se na ONU, o grande balcão de negócios do imperialismo, a votação pela intervenção militar.

 A França, primeiro Estado a reconhecer a "oposição" a Kadafi como governo líbio, lançou o primeiro ataque.

 De passagem pelo Brasil, Obama falava de paz, democracia, igualdade entre grandes e pequenos para uma plateia de bajuladores, enquanto ordenava a suas tropas que desencadeassem também seus bombardeios.
É a maior operação militar conjunta das potências transatlânticas e de nações gerenciadas por seus títeres desde as invasões do Iraque e do Afeganistão.

Os covardes bombardeios massivos sobre o território líbio são parte de suas manobras na tentativa de cavalgar as justas rebeliões dos últimos meses no norte da África e no Oriente Médio contra a opressão, a corrupção e a precarização generalizada das condições de vida e por uma democracia popular no chamado mundo árabe.

O fato dessas rebeliões carecerem de uma direção revolucionária consequente tem sido aproveitado por forças manejadas pela batuta do USA e da União Europeia que, servindo-se das velhas concertações, frustram seus objetivos, conduzindo o processo para mera reestruturação dos velhos Estados desses países. Tal é o caso da Tunísia e do Egito, como noticiamos na edição 75 de AND.

O primeiro míssil da operação "Odisséia no Horizonte" — nome com o qual a coalização imperialista batizou a invasão da Líbia, e que soa como continuação da operação "Tempestade no Deserto", a da invasão do Iraque, que acaba de completar oito anos foi disparado por um avião de guerra da França.

Este primeiro ataque às forças de Muammar Kadafi, numa ofensiva abre-alas, contou com 20 caças Rafale e abrangeu uma área de 15 mil quilômetros quadrados em torno de Benghazi, a segunda maior cidade da Líbia e a maior da parte leste do país, onde estão instalados os maiores interesses petrolíferos imperialistas na Líbia.

Os primeiros bombardeios mataram mais de 40 pessoas, entre homens e mulheres, velhos e crianças, além de destruir a sede do governo em Trípoli.

 No dia 24 de março, um bairro residencial do leste de Trípoli foi atingido, deixando grande destruição e um número não divulgado de mortos e feridos. Outros ataques atingiram equipes de resgate que socorriam as vítimas de bombardeios anteriores. Cidades distantes de Trípoli também relataram ter sofrido bombardeios que provocaram importantes danos em alvos militares e civis. As próprias agências do monopólio internacional da comunicação noticiam que é incessante o barulho das sirenes de ambulâncias em Trípoli.

Veículo militar bombardeado por avião de guerra francês


Afeganistão/ mortes - Artigo publicado em 09 de Março de 2011 - Atualizado em 09 de Março de 2011

2010 foi o ano de mais mortes de civis no Afeganistão




Na capital afegã, Cabul, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou nesta quarta-feira um relatório afirmando que 2010 foi o ano em que houve mais mortos de civis no Afeganistão desde o início da intervenção estrangeira, há nove anos.

De acordo com o levantamento da ONU, dos 2.777 civis que perderam a vida no ano passado no Afeganistão, 16% foram mortos pelas forças internacionais e afegãs.

 A ONU não conseguiu, por outro lado, identificar os autores da morte violenta de 9% das vítimas.

Os erros repetidos da OTAN, como a morte de nove crianças num ataque aéreo no início do mês na província de Kunar, embaraçam o governo americano e têm como efeito uma multiplicação das manifestações contra os ocupantes estrangeiros, principalmente os Estados Unidos. Mas o que a ONU alerta com este relatório é que, a poucos meses do início da retirada das tropas internacionais - que deve estar concluída até 2014 -, as forças afegãs vão assumir a segurança do Afeganistão com uma insurreição islâmica fortalecida.